Futebol Campo
Futebol Society
Volei
Peteca
Tênis
Eventos

Regulamento Society 2017

Aguarde...

GRANADA IATE CLUBE

Diretoria de Futebol

TORNEIO DE VERÃO DE FUTEBOL SOCIETY 2017

REGULAMENTO GERAL

Capítulo I – Da Finalidade

Art. 1º – O torneio de futebol society do Granada Iate Clube tem como finalidade proporcionar maior integração entre os associados, através de uma disputa saudável em que o respeito aos princípios da ética desportiva seja uma busca constante. Razões pelas quais todas as atitudes relativas à falta de respeito, indisciplina de qualquer ordem, agressões e situações similares serão repudiadas e punidas com o devido rigor.

Capítulo II – Dos Poderes

Art. 2º – São poderes do torneio

– Diretoria de Futebol

– Comissão Disciplinar

Art. 3º – A comissão disciplinar será composta pela diretoria de futebol, presidência e pelo diretor disciplinar.

Capítulo III – Das Responsabilidades

Art. 4º – À Diretoria de futebol caberá:

– Estimular a participação dos associados, fazendo uso dos meios de divulgação ao seu alcance.

– Fazer se representar nos momentos solenes da competição

– Elaborar o planejamento de toda a atividade

– Acompanhar e supervisionar permanentemente o desenvolvimento da competição.

– Separar e montar as equipes previamente, conforme critérios por ela mesma estabelecidos.

– Prever recursos visando o pagamento de premiação, arbitragem, impressos e demais despesas.

– realizar a logística e a coordenação técnica do evento.

– Elaborar a tabela, o cronograma e o calendário da competição.

– Elaborar um esquema dinâmico para as inscrições, que possa atender aos associados.

Art. 5º – À Comissão Disciplinar caberá:

– Avaliar e julgar as atitudes disciplinares, baseado nos relatos da súmula e de acordo com o código disciplinar e pelo Estatuto do Clube e amparados pelo Código Brasileiro de Justiça Desportiva.

– Aplicar de forma imediata e em procedimento sumário, as sansões disciplinares adequadas de acordo com as infrações cometidas.

Capítulo IV – Da Competição

Art. 6º – Os jogos obedecerão às regras oficiais da FMFS, observando as adaptações deste regulamento.

Art. 7º – O torneio será dividido em 4(quatro) categorias:

– Categoria Junior

– Categoria Sênior

– Categoria Máster

– Categoria Supermaster

– Alguns associados pertencentes a categoria supermaster poderão compor a categoria máster e vice-versa, com isto, estes associados vão participar das duas categorias.

– Para os goleiros, cada equipe terá seu goleiro inscrito, não haverá lista de goleiros biônicos. Cada capitão é responsável por convocar seu goleiro, ou outro que possa substitui-lo.

Art. 8º – Os jogos serão disputados em 2(dois) tempos de 25 minutos, com intervalos de 5 minutos.

Ar. 9º – Será considerada perdedora por ausência ( w x o ) a equipe que não comparecer para o jogo até o limite estabelecido pelo delegado da partida para início da partida.

– A equipe que vencer por W x O registrará a seu favor o placar de 3 x 0.

Art. 10º – Haverá um prazo de tolerância de 15 (quinze) minutos para a primeira partida do dia. O delegado da partida vai determinar a tolerância para as demais partidas do dia.

Art. 11º – Adiamentos e suspensões de jogos somente ocorrerão a critério da diretoria de futebol.

  • único – No caso de abandono de campo, número insuficiente de atletas e o popular cai-cai, sempre devidamente descrito na súmula do jogo, a equipe que abandonar perderá os pontos em disputa a favor do adversário.

Art. 12 º – Cada equipe será composta de 7(sete) jogadoras titulares, jogadores suplentes e um técnico. As regras oficiais do esporte determinam o número mínimo necessário para iniciar a partida.

Capítulo V – Dos Uniformes

Art. 13º – O atleta só poderá atuar na partida se estiver usando o uniforme, camisa e calção, padronizado de sua equipe. Este uniforme será o mesmo usado no campeonato de futebol de campo de 2016.

  • 1º – Pequenas diferenças nas meias dos atletas deverão ser informadas ao delegado da partida, que autorizará ou não a participação do atleta.
  • 2º – Em caso de perda ou extravio do uniforme, o clube não se responsabiliza pela reposição de outro uniforme. Caso tenha um de reserva, será cobrada uma taxa pela sua aquisição.
  • 3º – Serão autorizadas criação de novas equipes que não existiam no campeonato de futebol 2016, sendo que o custo da confecção dos uniformes ficará a cargo dos integrantes da equipe.

Art. 14º – Não será permitido o uso de chuteiras com travas de alumínio.

Art. 15º – Caso as equipes que vão se enfrentar estiverem com uniformes semelhantes, caberá à diretoria de futebol providenciar a troca de um dos uniformes, mediante o sorteio.

Art. 16º- Caso a equipe queira providenciar um uniforme “B” para sua equipe, terá que ser com recursos próprios e com a anuência da diretoria de futebol.

Capítulo VI – Do Atendimento Médico

Art. 17º – O Granada não se responsabilizará pelo tratamento médico de qualquer natureza, que possam derivar de acidentes ocorridos com os participantes antes, durante e após as partidas. Se necessário o delegado da partida acionará o SAMU para transporte e primeiros socorros.

Art. 18º – O Granada recomenda aos participantes do evento uma preparação física antecipada e o controle médico adequado.

Capítulo VII – Das Inscrições

Art. 19º – Poderão participar do torneio de futebol society do Granada, todos os associados e dependentes em situação regular com o clube, inscritos no campeonato de futebol de campo de 2016, a partir da idade mínima estabelecida no regulamento, e novos associados se convidados pela diretoria de futebol. A Administração do clube é autoridade na definição desta regularidade.

  • 1º – As inscrições dos menores de idade deverão ser assinadas pelos pais ou responsáveis.
  • 2 – A fim de suprir a carência de goleiros no clube, qualquer associado poderá, com anuência da Diretoria de futebol, convidar um goleiro não associado para atuar no torneio. Este deverá atender a um protocolo exigido pela secretaria do clube e será enquadrado na categoria de goleiro convidado.

Art. 20º – A diretoria de futebol organizará um esquema eficiente para receber as inscrições dentro de um prazo previamente estabelecido.

Art. 21º – Será cobrada uma taxa de inscrição de R$240,00 por equipe para suprir despesas com a competição.

  • 1º – O capitão da equipe é o responsável pelo pagamento da inscrição na secretaria do clube antes do início do torneio.
  • 2º – As inscrições serão feitas através de formulário próprio, com dados relativos aos inscritos que possam facilitar para a comissão a identificação dos participantes

Capítulo VIII – Da Seleção das Equipes

Art. 22º – Cada equipe deve, entre os inscritos, eleger aquele que representará s equipe na condição de Capitão.

Art. 23º – Compete ao capitão:

– Organizar, preparar e estruturar a sua equipe. Ele será o responsável pela comunicação e convocação de seus jogadores para os jogos.

– Tomar decisões em nome do grupo e representa-lo ao longo do torneio.

– Ser um elo de ligação entre sua equipe e a diretoria de futebol.

– Desempenhar a sua função de forma cordial, democrática e conciliadora junto ao seu grupo.

– Verificar a regularidade de seus jogadores para as partidas. Deverá ter o controle dos cartões amarelos, vermelhos e demais punições de seus atletas.

  • único – avisar os jogadores, com antecedência da data e dos horários dos jogos. Na impossibilidade de seu goleiro fixo comparecer ao jogo, deverá providenciar um goleiro para substitui-lo.

Art. 24º – O capitão, em comum acordo com o seu grupo de jogadores, poderá escolher um associado para atuar como técnico de sua equipe.

Art. 25º – O técnico como parte integrante da equipe deverá ter uma postura adequada, pois está sujeito a punições que poderão prejudicar sua equipe. Deverá estar decentemente trajado, não fumar na área técnica e não fazer uso de bebidas alcoólicas durante a partida.

Art. 26º – O técnico deverá assinar a súmula como todos os outros atletas e permanecer na área técnica reservada a ele.

Art. 27º – Não poderão atuar como técnico:

– Diretor

– Membros da Diretoria de futebol e/ou diretoria de futebol

– Convidados

  • Único – Na ausência do técnico oficial da equipe, qualquer jogador da equipe poderá permanecer como técnico não oficial. Não podendo ser inscrito na súmula.

Capítulo IX – Da Fórmula de Disputa

Art. 28º – O torneio será dividido em 3(três) fases distintas para todas as categorias.

A- 1ª Fase: Classificatória

B – 2ª Fase: Semifinal

C – 3ª Fase: Final

Art. 29º – PRIMEIRA FASE – Nas categorias Master, Supermaster e Júnior a primeira fase será disputada em turno único. Ao final desta fase, os quatro times melhores pontuados irão para a segunda fase. Os dois primeiros colocados entram para a segunda fase com a vantagem do empate.

Na categoria Sênior a primeira fase será disputada em turno e returno. Ao final desta fase os dois primeiros colocados entram para a segunda fase com a vantagem do empate.

Art. 30º SEGUNDA FASE – SEMIFINAL. Esta fase será em sistema de mata-mata, jogo único, ou seja, os vencedores de cada jogo irão para a terceira fase. Caso a partida termine empatada em seu tempo normal, haverá cobranças de penalidades máximas, conforme regulamentação da CBFS.

Art. 31º – TERCEIRA FASE – FINAIS – Caso a partida termine empatada em seu tempo normal, haverá cobranças de penalidades máximas, conforme regulamentação da CBFS.

Capítulo X – DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATES

Art. 32º – Na primeira fase, para as 4 categorias

– Em caso de empate por pontos entre duas ou mais equipes, serão obedecidos os seguintes critérios de desempates, que serão sequenciais não retornando ao critério anterior.

1º – Número de vitórias

2º – Saldo de gols

3º – Maior número de gols

4º – Número de cartões disciplinares

5º – Amarelos ( -2 pontos)

6º – Vermelhos ( -3 pontos)

– Na terceira fase, final, caso a partida termine empatada em seu tempo normal, haverá cobranças de penalidades máximas, conforme regulamentação da CBFS.

Capítulo XI – Das Sanções Disciplinares

Art. 33º – O Estatuto do Clube, as resoluções da Diretoria e o Código Disciplinar do Torneio são as referências de deliberações das sansões disciplinares no âmbito das atividades esportivas. Sendo assim, todos associados e dependentes que receberem cartões vermelhos nas “peladas” ou nos jogos do torneio, estarão automaticamente suspensos por 8(oito) dias das atividades de futebol.

  • único – A Diretoria de futebol é a instância máxima de decisões das situações ligadas ao futebol de campo, de suas decisões não cambem quaisquer recursos.

Art. 34º – Os participantes que apresentarem protestos descabidos, injuriosos ou críticas infundadas à organização do evento, serão punidos a critério da comissão disciplinar.

  • único – Todo associado que não estando participando da partida, provocar tumultos, invadir o campo, agredir o juiz, que seja moral ou fisicamente, estará sujeito a punições conforme o Estatuto do Clube.

Art. 35º – Recursos quanto à irregularidade dos atletas e equipes adversárias poderão dar entrada na diretoria de futebol até 48 horas após o término da partida em que ocorreu o fato, cabendo o ônus da prova ao denunciante.

Art. 36º – Os recursos deverão ser formalizados em duas vias, assinados pelos capitães e entregues a qualquer membro da diretoria de futebol. Não serão aceitos recursos por via fax, xérox, e-mail ou similares.

Art. 37º – Todo ato de indisciplina relatado na súmula pelo árbitro da partida ou pelo delegado da partida, que tenham gerado expulsão ou não da partida, será avaliado pela Diretoria de futebol. Casa a Comissão entenda que o ato demanda um julgamento disciplinar, encaminhará o fato a comissão disciplinar do clube.

Art. 38º – A súmula com o relato do árbitro e o depoimento do delegado da partida, serão parâmetros para apreciação e julgamento do ato disciplinar.

Art. 39º – O atleta punido pelo árbitro, com cartão amarelo, deverá ficar fora da partida por 2(dois) minutos. Este tempo será controlado pelo delegado da partida que informará ao árbitro o seu término. Somente o árbitro pode autorizar o retorno do atleta ao campo de jogo.

Art. 40º – O atleta punido com 3(três) cartões amarelos consecutivos ou alternado ficará automaticamente suspenso da próxima partida.

Art. 41º – O técnico que for expulso da partida será julgado de acordo com o ato praticado, e deverá cumprir a sua pena apenas como técnico. Se estiver inscrito como jogador, poderá atuar normalmente por sua equipe, observadas as determinações do Art. 47.

Art. 42º – O jogador punido por cartões amarelos ou vermelhos, não estará impedido de exercer a função de técnico de outra equipe, observadas as determinações do Art. 38.

Art. 43º – No caso de adiamento de uma partida em que o(s) atleta(s) deveria cumprir suspensão, a penalidade deverá ser cumprida na partida seguinte.

Art. 44º – O atleta punido com cartão vermelho estará impedido de continuar na partida e automaticamente suspenso da próxima. A gravidade do ato que gerou o cartão pode determinar punições maiores. Ele não poderá permanecer no banco de reservas.

Art. 45º – O GOLEIRO que estiver atuando pela sua equipe como exclusivo e for penalizado com o cartão vermelho, cumprirá a pena determinada pelo cartão apenas como exclusivo. Poderá atuar por outra equipe como alternativo, observadas as determinações do Art.38

Art. 46º – O GOLEIRO que estiver atuando como alternativo por uma equipe e for punido com o cartão vermelho, cumprirá a punição determinada pelo cartão apenas como alternativo. Poderá atuar por sua equipe como goleiro exclusivo, observadas as determinações do Art. 38.

Art. 47º – O atleta que iniciar um jogo com 2(dois) cartões amarelos, tomar

– O 3º amarelo e em seguida o cartão vermelho, estará sujeito a duas punições, uma pelo cartão vermelho e outra pelos 3(três) cartões amarelos.

  • 1º – Caso tome o cartão vermelho direto, sem tomar o amarelo, cumprirá a suspensão relativa ao cartão vermelho e continuará pendentes pelos dois cartões amarelos.

Art. 48º – A passagem de uma fase a outra não anula os cartões do jogador. O controle do número de cartões amarelos e vermelhos, a título de cumprimento de pena, é de responsabilidade dos capitães.

Capítulo XIII – Das Adaptações às Regras

Art. 49º – SUBSTITUIÇÕES – É de competência exclusiva dos técnicos fazê-las. O atleta substituído poderá voltar a atuar na mesma partida por mais duas vezes.

Art. 50º – REGRA DOS 10 minutos – Todo associado inscrito no torneio, exceto os goleiros, que estejam presentes, devidamente uniformizados e que tenham chegado antes do início da partida, terão direito de jogar um período mínimo determinado de 10 minutos por jogo.

  • 1º- Esta regra valerá para todas as fases do torneio
  • 2º – O associado para fazer jus a este benefício, deverá chegar antes do início da partida e permanecer no banco de reservas junto com os demais companheiros.
  • 3º – O associado poderá, por iniciativa própria, abrir mão deste direito
  • 4º – O controle do tempo em que estiver jogando será feito pelo delegado da partida que informará aos capitães o tempo de início e término do cumprimento deste artigo.
  • 5º – Só o associado prejudicado pelo não atendimento a esta regra, poderá reclamar deste descumprimento. Não cabe ao adversário reivindicar a perda deste ponto.
  • 6º – Os capitães e técnicos deverão planejar uma estratégia para atender a esta regra.
  • 7 – Considerando que nos últimos torneios está situação tem sido um fato de desagravo de vários associados, a Diretoria de futebol ficará atenta ao cumprimento desta regra. Lembramos a todos que o Granada é um clube que tem como objetivo principal a integração de todos os seus associados; por isto, recomendamos compreensão, respeito e tolerância nas relações com os associados.

Art. 51º – OS GOLEIROS – Todos os goleiros inscritos no torneio estão habilitados como alternativos, podem atuar por qualquer equipe.

– Os goleiros inscritos em times do Master e Supermaster podem atuar somente por quaisquer equipes dessas categorias

– Os goleiros inscritos em times do Sênior e Junior podem atuar somente por quaisquer equipes dessas categorias

Art. 52º – Cada uma das equipes participantes do torneio terá direito a seu goleiro exclusivo. No caso de ausência comprovada de seu goleiro, o capitão poderá convidar outro goleiro e habilitá-lo como alternativo, obedecendo à orientação dos parágrafos anteriores.

Art. 53º – Se duas equipes apresentarem para a partida sem goleiros e apenas um alternativo estiver presente, a questão será resolvida da seguinte forma:

  • 1º – Se este já estiver sido convidado por uma das equipes, ele atuara por ela.
  • 2º – Se o goleiro não tiver sido convidado por nenhuma das duas, será efetuado um sorteio. A equipe perdedora do sorteio deverá colocar um jogador de linha no gol, até que apareça outro goleiro.
  • 3º – Se o goleiro titular da equipe que estiver atuando com um alternativo chegar, a substituição terá que ser feita. O alternativo não poderá atuar pela equipe contrária.
  • 4º – Caso ocorra um imprevisto que impeça a continuação do goleiro na partida, este poderá ser substituído pelo goleiro reserva se tiver, ou qualquer outro alternativo presente no clube.
  • 5º – No caso de expulsão do goleiro titular ou alternativo, deverá ir para o gol um jogador de linha ou goleiro reserva.

Art. 54º – O atleta inscrito como goleiro não poderá ser escalado na linha.

Capítulo XIV – Das Premiações

Art. 55º – Os atletas das equipes colocadas nos primeiros lugares receberão medalhas.

Capítulo XV – Das Disposições Gerais

Art. 56º – Um exemplar deste regulamento estará de posse do delegado da partida e à disposição dos jogadores para qualquer consulta, bem como disponível no site do clube.

Art. 57º – Todos os participantes do torneio não poderão alegar desconhecimento deste regulamento, ficando sujeitos a todas as suas disposições e às penalidades que dele possam emanar.

Art. 58º – Complementarão este regulamento o planejamento geral, o código disciplinar e os boletins extras.

Art. 59º – Os casos omissos serão resolvidos pela diretoria de futebol.

 

Granada Iate Clube

Diretoria de futebol